MPF questiona Ministério da Saúde sobre escolha de vacina contra covid

Butantan afirma que a Anvisa está retardando importações

Butantan afirma que a Anvisa está retardando importações
Tatyana Makeyeva/Reuters – 17.09.2020

O MPF (Ministério Público Federal) abriu um processo para acompanhar o planejamento de vacinação da população brasileira contra a covid-19 e os imunizantes que serão utilizados, assim como os critérios e as motivações de escolha.

Os pedidos de esclarecimento enviados para Ministério da Saúde e à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) foram assinados por procuradoras de São Paulo, Rio Grande do Sul e Pernambuco.

As procuradoras questionam a decisão de considerar apenas a chamada vacina de Oxford no calendário do Ministério da Saúde, e, posteriormente, a Coronavac, deixando de incluir as demais que estão em desenvolvimento em todo o mundo.

Leia mais: Anvisa autoriza importação de 6 mi de doses de vacina chinesa

À Anvisa foram solicitadas informações sobre possíveis embasamentos científicos para a decisão de considerar inicialmente apenas a vacina de Oxford no calendário da pasta.

O grupo também questiona se há estimativa para a finalização do estágio de testes de cada uma das vacinas e da provação pela agência para sua posterior distribuição pelo Brasil.

O Instituto Butantan afirma que a Anvisa está retardando autorização para importação de matéria-prima da farmacêutica Sinovac, o que dificultaria a fabricação da Coronavac no Brasil. Foi questionado ainda se a demora na liberação das importações de insumos para produção da vacina foi justificada.

O Conteúdo de Notícias do Publicar Artigo é tirado de sites de notícias da internet.

Alguns conteúdos são patrocinados e pagos por empresas que nos procuram para melhorar suas vendas e acessos.

Fale conosco.

Cresta Help Chat
Send via WhatsApp
01511987618725